Antenas em utilização são adequadas à recepção de Televisão Digital Terrestre

A ANACOM - Autoridade Nacional de Comunicações já definiu o calendário de desligamento das emissões analógicas de televisão. Nos termos da decisão, a 1ª fase acontecerá no dia 12 de Janeiro de 2012 e abrangerá uma faixa do litoral do país que corresponderá a 70% da população e 39% do território; na 2ª fase, em 22 de Março de 2012, cessam as emissões analógicas terrestres nas Regiões Autónomas, correspondendo a cerca de 5% da população; e na 3ª e última fase, em 26 de Abril de 2012, cessam as emissões no restante território continental, abrangendo cerca de 25% da população.

Nalgumas localidades, o switch-off da televisão analógica acontecerá dentro de poucos meses, em Janeiro de 2011, data de início da realização de alguns testes piloto que a ANACOM vai realizar. Desde 2009 que os actuais canais de televisão em sinal aberto, RTP 1, RTP2, SIC e TVI podem também ser captados através da rede digital terrestre (TDT), estando actualmente coberta cerca de 85% da população. Até ao final deste ano 100% da população estará coberta.

A Televisão Digital Terrestre permitirá mais e melhores serviços de televisão. A TDT tem melhor qualidade de som e de imagem; permite o acesso a um guia de programação electrónica; fazer gravação digital, consoante o tipo de set-top-box utilizada, com possibilidade de agendamento ou paragem da emissão em tempo real. A efectiva melhoria de qualidade de som e imagem será mais sentida por quem possua televisores digitais integrados, que deverão ser compatíveis com a norma MPEG 4/H.264. Quem não dispõe destes televisores terá que ter uma set-top-box para descodificar o sinal.

A TDT apresenta ainda uma especial mais-valia nas zonas em que a recepção do sinal de televisão implica a utilização de duas antenas, dado que com a TDT os utilizadores só terão que manter uma antena, orientada para um único retransmissor.

Aliás, em matéria de antenas a única coisa que será preciso fazer para receber adequadamente as emissões de TDT é reorientá-las. Só pontualmente será necessário substituir a antena, uma vez que a generalidade das antenas que actualmente estão a ser usadas para receber as emissões de televisão analógica são adequadas para receberem o sinal digital da TDT. É o caso das chamadas «antenas de bacalhau» (fig.1), de uso generalizado, que são antenas mistas, que funcionam simultaneamente na banda UHF e VHF.

Fig. 1 - Antena do tipo logarítmica vulgarmente designada por «antena bacalhau». São antenas mistas, que funcionam na banda UHF e ao mesmo tempo em VHF

Antena do tipo logarítmica vulgarmente designada por «antena bacalhau». São antenas mistas, que funcionam na banda UHF e ao mesmo tempo em VHF.
(Clique na imagem para ver a figura numa nova janela)

Se por qualquer razão, a pessoa precisar de comprar uma antena nova, ou porque a sua é muito velha, ou está danificada, existem no mercado antenas apropriadas à recepção do sinal de TDT em Portugal (Fig. 2 a 5), quer para recepção colectiva, como para recepção individual. Existem ainda modelos para utilização no interior da casa.

Fig. 2 - Antena exterior de tipo Yagi de 3 eixos. Largura de banda típica canal 21 a 69 - Banda UHF. Com array angular de 3 eixos, fazem com que esta antena seja mais directiva e ao mesmo tempo de banda larga

Antena exterior de tipo Yagi de 3 eixos. Largura de banda típica canal 21 a 69 - Banda UHF. Com array angular de 3 eixos, fazem com que esta antena seja mais directiva e ao mesmo tempo de banda larga.
(Clique na imagem para ver a figura numa nova janela)

Fig.3 - Antena exterior de tipo Yagi com 1 eixo, largura de banda típica entre o canal 21 a 69 em banda UHF. Tenso só um eixo tem um ganho um pouco inferior à Yagi de 3 eixos, mas tem um custo em média menor

Antena exterior de tipo Yagi com 1 eixo, largura de banda típica entre o canal 21 a 69 em banda UHF. Tenso só um eixo tem um ganho um pouco inferior à Yagi de 3 eixos, mas tem um custo em média menor.
(Clique na imagem para ver a figura numa nova janela)

Fig.4 - Antena exterior plana. Largura de banda típica entre os canais 5 a 12 (banda VHF) e canais 21 a 69 (banda UHF). Tem um impacto visual bastante reduzido, mas necessita do acesso a uma tomada de energia eléctrica

Antena exterior plana. Largura de banda típica entre os canais 5 a 12 (banda VHF) e canais 21 a 69 (banda UHF). Tem um impacto visual bastante reduzido, mas necessita do acesso a uma tomada de energia eléctrica.
(Clique na imagem para ver a figura numa nova janela)

Fig. 5- Antena interior plana, passível de ser utilizada em zonas onde exista recepção portátil interior. Largura de banda típica entre os canais 5 a 12 (banda VHF) e canais 21 a 69 (banda UHF)

Antena interior plana, passível de ser utilizada em zonas onde exista recepção portátil interior. Largura de banda típica entre os canais 5 a 12 (banda VHF) e canais 21 a 69 (banda UHF).
(Clique na imagem para ver a figura numa nova janela)

Uma parte significativa da população será afectada pelo processo de cessação das emissões analógicas. Actualmente existem em Portugal cerca de 1,5 milhões de famílias que só têm televisão em sinal aberto, sendo afectadas pelo processo de migração para o digital, pelo que terão de se assegurar de que têm condições para receber o sinal da TDT.

Com vista ao esclarecimento da população, a ANACOM está a definir um plano de comunicação que começará a ser executado a seguir ao Verão.


Consulte: