Redes e serviços de alta velocidade em local fixo (FTTH/B e DOCSIS 3.0) - 3.º trimestre de 2017



Nota Inicial

A informação que se apresenta de seguida foi recolhida junto dos prestadores destes serviços e poderá ser objeto de alterações caso se verifiquem revisões ou atualizações. O presente relatório apresenta a informação recolhida até 16/08/2017. Os indicadores referentes ao 1.º, 2.º e 3.º trimestres de 2017 foram, no caso dos quatro maiores operadores1 e da NOS Açores e NOS Madeira (apenas no 3.º trimestre de 2017), recolhidos com desagregação por freguesia ou código postal. Nestes casos, a informação foi posteriormente afetada aos concelhos. Este facto poderá afetar a comparação com períodos anteriores.

1. Clientes Residenciais de serviços de alta velocidade em local fixo

No final do 3.º trimestre de 2017 (3T2017), o número de clientes residenciais que dispunham de redes e serviços de alta velocidade em local fixo ascendia a cerca de 2,2 milhões, mais 3% do que no trimestre anterior e cerca de 14,4% acima do valor registado no terceiro trimestre de 2016.

Tabela 1 - Clientes residenciais de serviços de alta velocidade em local Fixo

NUTS II

2T2017

3T2017

Variação 3T2017/ 2T2017

Variação 3T2017/ 3T2016

N.º de Clientes Residenciais

Clientes Residenciais por 100 famílias2

N.º de Clientes Residenciais

Clientes Residenciais por 100 famílias2

NORTE

671

49,7

691

51,2

3,0%

14,3%

CENTRO

317

35,0

335

37,0

5,7%

27,3%

A.M. LISBOA

897

77,0

910

78,1

1,5%

7,6%

ALENTEJO

83

27,4

90

29,7

8,6%

53,0%

ALGARVE

76

41,0

79

43,0

4,8%

18,1%

REGIÃO AUTO. AÇORES

39

48,1

40

48,6

0,9%

18,2%

REGIÃO AUTO. MADEIRA

57

61,6

59

63,7

3,4%

12,0%

TOTAL

2.139

52,4

2.204

54,0

3,0%

14,4%

Unidade: Milhares de agregados domésticos privados (famílias), %
Fonte: ANACOM
Nota: Nos relatórios anteriores (até ao 2T2016) estes indicadores eram calculados por 100 alojamentos.

2. Alojamentos cablados - Redes de alta velocidade em local fixo

No final do 3T2017, o número de alojamentos cablados com fibra óptica (FTTH/B) por todos os operadores ascendia a cerca de 6,1 milhões, mais 3,5% do que no trimestre anterior e cerca de 20,9% acima do valor verificado no terceiro trimestre de 2016.

Tabela 2 - Alojamentos cablados - Fibra Ótica (FTTH/B)

NUTS II

2T2017

3T2017

Variação 3T2017/ 2T2017

Variação 3T2017/ 3T2016

N.º de Alojamentos Cablados (FTTH/B)

N.º de Alojamentos Cablados (FTTH/B)

NORTE

1.896

1.954

3,0%

14,2%

CENTRO

1.211

1.267

4,6%

39,3%

A.M. LISBOA

2.140

2.195

2,6%

10,0%

ALENTEJO

369

378

2,3%

39,5%

ALGARVE

171

179

4,6%

86,5%

REGIÃO AUTO. AÇORES

57

67

17,8%

79,3%

REGIÃO AUTO. MADEIRA

74

85

15,7%

91,3%

TOTAL

5.919

6.125

3,5%

20,9%

Unidade: Milhares de Alojamentos, %
Fonte: ANACOM
Nota 1: A oferta do serviço por mais do que um operador na mesma região implica a possibilidade de múltipla cablagem de um mesmo alojamento. Isto significa que a soma dos alojamentos cablados por todos os operadores pode resultar em duplas contagens. Estima.se que, sem este efeito de dupla contagem, o número de alojamentos cablados com FTTH/B seria, no mínimo, de 3.903 milhares.
Nota 2: Os indicadores referentes ao 4.º trimestre de 2016, 1.º, 2.º e 3.º trimestres de 2017 foram, no caso dos quatro maiores operadores e da NOS Açores e NOS Madeira (apenas no 3.º trimestre de 2017), recolhidos com desagregação por freguesia ou código postal. Nestes casos, a informação foi posteriormente afetada aos concelhos. Este facto poderá afetar a comparação com períodos anteriores.

O número de alojamentos com acessos suportados em EuroDOCSIS 3.0 – standard utilizado pelos operadores de TV por cabo para prestarem serviços de alta velocidade -, aumentou cerca de 0,3% no 3T2017 face ao 2T2017, totalizando 4,26 milhões.

Tabela 3 – Alojamentos cablados - EURODOCSIS3.0 ou equivalente

NUTS II

2T2017

3T2017

Variação 3T2017/ 2T2017

Variação 3T2017/ 3T2016

N.º de Alojamentos Cablados (EuroDOCSIS 3.0)

N.º de Alojamentos Cablados (EuroDOCSIS 3.0)

NORTE

1.153

1.156

0,3%

0,7%

CENTRO

618

619

0,1%

0,1%

A.M. LISBOA

1.911

1.917

0,3%

0,3%

ALENTEJO

167

171

2,0%

2,2%

ALGARVE

246

247

0,4%

0,9%

REGIÃO AUTO. AÇORES

85

85

0,1%

3,7%

REGIÃO AUTO. MADEIRA

71

71

0,0%

5,1%

TOTAL

4.252

4.265

0,3%

0,7%

Unidade: Milhares de Alojamentos, %
Fonte: ANACOM
Nota 1: A oferta do serviço por mais do que um operador na mesma região implica a possibilidade de múltipla cablagem de um mesmo alojamento. Isto significa que a soma dos alojamentos cablados por todos os operadores pode resultar em duplas contagens. Estima-se que, sem este efeito de dupla contagem, o número de alojamentos cablados com EuroDOCSIS 3.0 seria, no mínimo, de 3.688 milhares.
Nota 2: Os indicadores referentes ao 4.º trimestre de 2016, 1.º, 2.º e 3.º trimestres de 2017 foram, no caso dos quatro maiores operadores e da NOS Açores e NOS Madeira (apenas no 3.º trimestre de 2017), recolhidos com desagregação por freguesia ou código postal. Nestes casos, a informação foi posteriormente afetada aos concelhos. Este facto poderá afetar a comparação com períodos anteriores.

Estima-se que, no mínimo, no final do 3T2017, cerca de 4,6 milhões de alojamentos estariam cablados com uma rede de alta velocidade, FTTH/B ou EURODOCSIS3.0, mais 1,8% que no trimestre anterior.

Tabela 4 – Estimativa do número mínimo de alojamentos cobertos por redes de alta velocidade em local fixo (FTTH/B ou suportados no standard EURODOCSIS3.0)

NUTS II

2T2017

3T2017

Variação 3T2017/ 2T2017

Variação 3T2017/ 3T2016

N.º de Alojamentos Cablados

N.º de Alojamentos Cablados

NORTE

1.365

1.384

1,4%

5,4%

CENTRO

847

871

2,8%

22,0%

A.M. LISBOA

1.600

1.620

1,2%

2,6%

ALENTEJO

284

287

0,9%

17,0%

ALGARVE

221

223

1,1%

2,1%

REGIÃO AUTO. AÇORES

102

102

0,1%

3,0%

REGIÃO AUTO. MADEIRA

83

93

13,0%

32,4%

TOTAL

4.501

4.581

1,8%

8,1%

Unidade: Milhares de Alojamentos, %
Fonte: ANACOM
Nota 1: O número mínimo de alojamentos cobertos por pelo menos uma rede de alta velocidade em local fixo foi calculado considerando apenas a rede de maior dimensão em cada concelho, independentemente da tecnologia de acesso. Nos casos em que o mesmo operador detém duas redes – FTTH/B e HFC - no mesmo concelho, considerou-se apenas a rede de maior dimensão.
Nota 2: Os indicadores referentes ao 4.º trimestre de 2016, 1.º, 2.º e 3.º trimestres de 2017 foram, no caso dos quatro maiores operadores e da NOS Açores e NOS Madeira (apenas no 3.º trimestre de 2017), recolhidos com desagregação por freguesia ou código postal. Nestes casos, a informação foi posteriormente afetada aos concelhos. Este facto poderá afetar a comparação com períodos anteriores.

No final do 3T2017, 187 concelhos, representando pelo menos 90,2% da população (87,6% dos alojamentos familiares clássicos), dispunham de pelo menos 3 operadores e 289 concelhos dispunham de pelo menos 2 operadores.

3. Estimativa da cobertura de redes de alta velocidade em local fixo

Estima-se que a cobertura de redes de alta velocidade no 3T12017 tivesse atingido, no mínimo, 77,2 por 100 alojamentos familiares clássicos3.

O número de alojamentos familiares clássicos com acesso a pelo menos uma rede de FTTH/B era, no mínimo, de cerca de 65,8%. Da mesma forma, a cobertura de alojamentos cablados com EuroDOCSIS 3.0 seria, no mínimo, de 62,2%.4

Tabela 5 – Estimativa da cobertura mínima das redes de alta velocidade em local fixo - 3T2017

NUTS II

Mínimo de alojamentos cablados com FTTH/B por 100 alojamentos

Mínimo de alojamentos cablados com DOCSIS3.0 por 100 alojamentos

Mínimo de alojamentos cablados com pelos menos uma RAV por 100 alojamentos

NORTE

64,6

58,2

73,9

CENTRO

56,9

35,1

59,5

A.M. LISBOA

85,8

104,6

108,3

ALENTEJO

57,3

32,7

60,5

ALGARVE

40,9

54,4

58,4

REGIÃO AUTO. AÇORES

58,6

76,2

91,2

REGIÃO AUTO. MADEIRA

63,3

54,1

71,3

TOTAL

65,8

62,2

77,2

Unidade: % de alojamentos familiares clássicos.
Fonte: ANACOM
Nota 1: O número mínimo de alojamentos cobertos por pelo menos uma rede de alta velocidade em local fixo foi calculado considerando apenas a rede de maior dimensão em cada concelho, independentemente da tecnologia de acesso. Nos casos em que o mesmo operador detém duas redes – FTTH/B e HFC - no mesmo concelho, considerou-se apenas a rede de maior dimensão.
Nota 2: Note-se que o número de alojamentos cablados inclui alojamentos e edifícios não residenciais ou mistos, pelo que a cobertura poderá ser superior a 100% (dos alojamentos familiares clássicos).

Notas
nt_title
 
1 MEO, NOS, NOWO e Vodafone.
2 Número de agregados domésticos privados por região de residência NUTS II (NUTS-2013), 2016. Valores calibrados tendo por referência as estimativas da população calculadas a partir dos resultados definitivos dos Censos 2011. Fonte: INE, Inquérito ao Emprego.
3 Caso se procedesse ao cálculo da cobertura recorrendo à menor unidade geográfica disponível (freguesia no caso dos 4 maiores operadores, NOS Açores e NOS Madeira e concelho para os restantes operadores), no final do 3T2017 a cobertura das redes fixas de nova geração seria de 81,6 por 100 alojamentos, combinando as duas tecnologias fixas FTTH/B e DOCSIS3.0.
4 Caso se procedesse ao cálculo da cobertura recorrendo à menor unidade geográfica disponível (freguesia no caso dos 4 maiores operadores, NOS Açores e NOS Madeira e concelho para os restantes operadores), o número de alojamentos familiares clássicos com acesso a pelo menos uma rede de FTTH/B seria, no mínimo, de cerca de 69,6%. Da mesma forma, a cobertura de alojamentos cablados com EuroDOCSIS 3.0 seria, no mínimo, de 69,4%.