Tráfego de acesso à banda larga fixa atinge máximo histórico

O tráfego de acesso à Internet em banda larga fixa aumentou 48,1% no primeiro semestre de 2018, tendo atingido um novo máximo histórico. O tráfego médio mensal por acesso fixo foi de 96,6 GB no 1º semestre, mais 27,5 GB que no período homólogo. Esta subida resulta do aumento do número de acessos e da maior intensidade de utilização.

Do tráfego total, a MEO era o prestador com maior quota de tráfego, 39,6%; seguindo-se a NOS, com 32,7% do tráfego; a Vodafone, com 22,4%, e a Nowo/Oni (grupo Apax) com 4,4%.

No mesmo período, o número de acessos à Internet em local fixo aumentou 5,9%, correspondendo a 205 mil, o que elevou o número total de acessos para 3,67 milhões.

A fibra ótica (FTTH) era a principal forma de acesso à Internet em banda larga fixa, representando 42% dos acessos, seguindo-se o cabo, com 31,9%, e o ADSL, com 18,4% dos acessos à Internet em banda larga fixa. O LTE em local fixo representava 7,7% do total de acessos.

Nos últimos dois semestres os acessos suportados em FTTH têm registado o ritmo de crescimento mais elevado até ao momento em termos absolutos (acima dos 150 mil por semestre). Nos últimos doze meses a fibra ótica aumentou 25,5% (mais 313 mil acessos), tendo atingido 1,54 milhões de acessos.

No primeiro semestre, a quota de acessos fixos da MEO atingiu os 39,8% (mesmo valor do semestre homólogo), seguindo-se o grupo NOS com uma quota de 37% (menos 0,7 pontos percentuais) e a Vodafone com 18,9% (mais 0,9 pontos percentuais). A Nowo/ONI tinha uma quota de 4,1% (menos 0,1 pontos percentuais).

A penetração do serviço de banda larga fixa residencial no final de junho era de 74,7 por 100 famílias clássicas, mais 2,1 pontos percentuais do que no semestre homólogo.

Resumo gráfico: Serviço de acesso à Internet em local fixo - 1.º semestre de 2018.


Consulte o relatório estatístico: