Serviço telefónico fixo 2018



Sumário executivo

Penetração do STF chegou aos 49,3 acessos por 100 habitantes

Em 2018, a taxa de penetração do STF em Portugal atingiu 49,3 acessos por 100 habitantes. Trata-se da taxa de penetração mais elevada registada desde que a ANACOM compila esta informação (2001).

A taxa de penetração dos acessos instalados a pedido de clientes residenciais ascendeu a 89 por 100 famílias clássicas. Porém, segundo o Barómetro de Telecomunicações da Marktest, no final de 2018 cerca de 34,6% dos clientes de STF não utilizavam este serviço.

Fibra ótica responsável pelo crescimento do número de acessos

O parque de acessos telefónicos principais atingiu 5 milhões de acessos, mais 5% do que no ano anterior. O crescimento verificado (+242 mil acessos equivalentes), deveu-se sobretudo ao aumento dos acessos VoIP/VoB (+519 mil acessos), nos quais se incluem os acessos suportados em redes de fibra ótica e TV por cabo.

No final de 2018, os acessos suportados na rede tradicional (acessos analógicos e RDIS) representavam 28,9% dos acessos telefónicos principais, enquanto os acessos suportados em redes alternativas atingiram 71,1%.

92% dos clientes adquiriram o serviço integrado em pacote

No final de 2018 o número de clientes do serviço telefónico fixo na modalidade de acesso direto atingiu 4 milhões, mais 2,3% superior do que no ano anterior.

O crescimento registado está associado à crescente popularidade das ofertas em pacote que integram telefonia fixa. Cerca de 92% dos clientes do STF tinham adquirido este serviço integrado num pacote.

Postos públicos e acesso indireto com queda acentuada

No final de 2018, o número de postos públicos instalados era de cerca de 18,5 milhares1, verificando-se uma redução de 5,4% face ao final do ano anterior. Desde 2004, altura em que o número de postos públicos chegou aos 47,4 milhares, este indicador diminuiu 61,1%.

Também o acesso indireto (pré-seleção e seleção chamada a chamada), que chegou a ser subscrito por cerca de 600 mil clientes, contabilizou no final de 2018 cerca de 19,8 mil clientes, tendo diminuído 20,8% relativamente ao ano anterior.

Tráfego originado na rede fixa em minutos diminuiu 9,4%

O volume de minutos originado na rede fixa reduziu-se 9,4% em relação a 2017. O tráfego em minutos encontra-se em queda desde o início de 2013. A descida do tráfego está associada ao aumento da penetração dos pacotes “4P/5P”, que incluem serviços móveis com chamadas gratuitas para todas as redes e, ainda, à crescente penetração de serviços Over-the-top (OTT).

Segundo o Barómetro de Telecomunicações da Marktest, no 4T2018, 48,9% dos Indivíduos com 15 ou mais anos com Internet fixa em casa realizaram chamadas de voz pela Internet (48% no 4T2017).

Utilizador médio consumiu 81 minutos de chamadas por mês

Em média, por mês, foram consumidos 81 minutos por acesso: 58 minutos em chamadas fixo-fixo, 8 minutos em chamadas fixo-móvel e 4 minutos em chamadas internacionais.

MEO lidera em termos de acessos

A quota da MEO era de 45,5% em termos de acessos totais e de 42,3% em termos de clientes de acesso direto. O Grupo NOS atingiu uma quota de 34,1% em termos de acessos e de 36,7% em termos de clientes diretos. A Vodafone foi o prestador com a terceira maior quota de acessos principais (16,4%) e clientes (17%).

Resumo gráfico: serviço telefónico fixo - 2018. 

Notas
nt_title
 
1 No final de 2018 havia dois prestadores de postos públicos em atividade, um dos quais é o prestador do serviço universal de postos públicos (MEO).